Pauloacbj Wiki
Advertisement

ver também

futebol: prós e contras

futebol e economia


Pesquisa do IBGE realizada em 2008 aponta que 43% dos brasileiros não gostam de futebol.[1][2][3]

Em 2011 o instituto DataFolha, após nova pesquisa, anunciou que 25% dos brasileiros não torciam para time algum.[4]


História[]

História no Brasil[]

Citações[]

O futebol é o ópio do povo. (Nelson Rodrigues)

O futebol é o ópio do povo e o narcotráfico da mídia. (Millor Fernandes)


Entrevista com Hilário Franco Júnior (historiador)

Desde 2003 ministra curso sobre a história social desse esporte para alunos de pós-graduação da Universidade São Paulo. Seu interesse pelo tema extrapola as quatro linhas e o limite dos estádios. A partir da análise do jogo e suas adjacências, Hilário trabalha em campos diversos, da sociologia à religião, da antropologia à lingüística. “O futebol é uma manifestação tribal, antropológica, de sociedades de todos os cantos do mundo há muito tempo”, diz. [...] Pesquisador da École des Hautes Études en Sciences Sociales, seu negócio, por lá, é história medieval. Trabalha com o maior especialista do mundo na matéria, Jacques Le Goff.

[...]

O que o senhor achou da caravana de políticos brasileiros que foi a Zurique para ouvir a confirmação do Brasil como sede da Copa de 2014?

O futebol hoje é business, espetáculo e aparências. Essa caravana, embora desnecessária, faz parte dessa lógica. Desnecessária porque se sabia qual seria a revelação da Fifa, já que o Brasil era o único candidato para sediar a Copa. Mas justamente o fato de ser o único candidato esvaziava o impacto da oficialização. Para recuperar esse impacto, que interessa a muitos, montou-se essa cena toda.

A CPI do futebol apontou diversas irregularidades das entidades que comandam o esporte no Brasil. Mas os governos mantêm uma boa relação com elas . Por que há tanta tolerância com a corrupção no futebol?

[...] O Brasil tem uma história de tolerância que países mais críticos não têm. Por ser o futebol um produto tão popular, os políticos tentam se aproximar dessa fonte de popularidade e não medem o grau ético do mundo dos cartolas.

O futebol continua servindo de trampolim para carreiras políticas?

[...] essa aproximação não é mais tão direta e, por isso mesmo, ela é mais problemática – para não dizer mais perigosa. Isso porque essas alianças acontecem nos bastidores, em negociações escusas. Há indícios que nos permitem deduzir que o casamento política-futebol continua bastante forte.

[...] O futebol é uma estrutura pouco democrática em todos os seus níveis. Tanto na Fifa quanto nas confederações nacionais, nas federações estaduais e nos clubes. Os presidentes de clubes, no cargo há anos, elegem os presidentes das federações estaduais, que, por sua vez, elegem o presidente da CBF. E os estatutos permitem a reeleição continuada. É quase um poder monárquico.

Não existe oposição?

Sim, existe. Mas sistemas pouco democráticos são tão fortes que conseguem cooptar ou abafar os oposicionistas. Na Copa de 2014, por exemplo, a CBF vai manobrar as federações estaduais com a possibilidade de um Estado ter ou não cidade-sede. A partir daí, veremos uma enorme troca de favores que reproduzirá o que acontece no Congresso brasileiro. A política do é-dando-que-se-recebe acaba por dizimar a oposição, que não consegue aliados suficientes para derrubar o poder instituído.

A Fifa é comparada à ONU quanto à abragência de seus filiados. Que poder ela tem para além do futebol?

A Fifa reúne 208 países e, portanto, movimenta direta e indiretamente bilhões de reais todo ano e envolve milhões de pessoas no mundo. Ela acaba sendo uma instituição que, embora voltada para um único esporte, tem um poder de influir em uma série de setores. A Fifa tem uma atuação mais ativa do que a da própria ONU, que tem um sistema interno razoavelmente democrático. Quando se percebe um absurdo qualquer em algum país, não se entra de um dia para o outro ali. Há um processo de discussões que acaba amarrando a ONU. A Fifa não tem nada de democrático. Por isso, ela tem agilidade para interferir no que lhe parece importante. Nesse paralelo, guardadas as proporções, sente-se mais no cotidiano das pessoas o papel da Fifa do que o da ONU.

A relação entre clubes e jogadores também é algo que beira a disciplina militar. Afinal, não há espaço para a democracia no futebol?

Há um grupo de países, do qual o Brasil faz parte, em que a gestão dos clubes não é democrática. As presidências dos times são passadas quase de pai para filho. Ficam sempre na mão do mesmo grupo. [...]

[...] O presidente da Fifa pediu que não fizéssemos a CPI do Corinthians para não atrapalhar a Copa. Atrapalhar em quê? Em dois anos, essa CPI se resolveria e não teria nada a ver com o evento. Um prazo longo pode servir de pretexto, tipicamente brasileiro, para empurrar as coisas com a barriga.

Por falar em CPI, não é estranho que o futebol puna aquele que vai à Justiça comum contra as decisões de suas entidades controladoras?

O futebol tomou uma dimensão que o levou a criar quase um mundo paralelo. Houve um choque muito importante com a decisão da Corte Suprema Européia no caso da Lei do Passe. Um jogador desconhecido de um time pequeno da Bélgica entrou na Justiça “comum” (uma terminologia pejorativa usada no mundo do futebol para definir a única justiça que existe) para dizer que se sentia cerceado em seu direito de trabalhar, já que o clube não queria negociar seu passe. Mas as instituições não têm coragem de ir à Justiça comum, porque correm o risco de ser desfiliadas da Fifa.

[...] o futebol dá uma cidadania internacional a certos países que não têm direito a ela por vias, digamos, mais nobres. Países que não têm uma produção científica, uma história longa, uma contribuição reconhecida internacionalmente acabam aparecendo via futebol.

[...] O nacionalismo brasileiro surge do nada perto da Copa e desaparece depois da Copa, tendo o Brasil ganhado ou perdido.

[....] A essência do futebol é enganar o outro. Como uma sociedade pode funcionar baseada nesse preceito?

[...] Os políticos usam futebol e carnaval como instrumentos. Não podemos dar um diagnóstico fechado, mas, num país onde essas duas manifestações são os eventos mais importantes, isso dá uma pista, sim, sobre o caráter nacional. Somos muito bons na arte de representar e de enganar. O problema é que isso nos leva a mentir para nós mesmos e, assim, a não fazer um plano de nação.

[...]

http://www.controversia.com.br/blog/o-futebol-e-suas-razoes-de-estado/

Produção intelectual sobre futebol[]

Pensadores/Comentaristas[]

  • Kajuru, Jorge
  • Kfouri, Juca
  • Nogueira, Armando



Livros sobre futebol[]

ANDRADE, Sérgio (arapuã) de. O futebol dos imbecis e os imbecis do futebol.

GALEANO, Eduardo. Futebol ao sol e à sombra.

GIULIANOTTI, Richard. Sociologia do Futebol - Dimensões Históricas e Socioculturais do Esporte das Multidões.

GURGEL, Anderson. Futebol S/A - A economia em campo. Editora Saraiva.

GUTERMAN, Marcos. O futebol explica o Brasil.

KFOURI, Juca. Por que não desisto - futebol, dinheiro e política.

KFOURI, Juca et al. Cartão vermelho - os bastidores do esporte.

KUPER, Simon; SZYMANSKI, Stefan. Soccernomics. Editora: Perseus Books Group. (original: Soccernomics)

MOURA, Paulino Rolim de. O Livro Negro do Futebol. 1970.

SILVA, Carlos Alberto Figueiredo da. Racismo no futebol. 2006, 101 p.

YALLOP, David. Como eles roubaram o jogo: Segredos dos Subterrâneos da Fifa. Editora Record, 1998. (original: How they stole the game)


Ver:

REIS, Heloisa Helena Baldy dos. Futebol e violência.

MURAD, Maurício. A violência e o futebol: dos estudos clássicos aos dias de hoje


Outros artigos e sites[]

http://www.uel.br/grupo-estudo/processoscivilizadores/portugues/sitesanais/anais9/artigos/mesa_debates/art15.pdf

http://fefnet172.fef.unicamp.br/grupos/gef/producao/Reis,Helo%C3%ADsaHelenaBalbydos%20%28doutorado%29.pdf

http://www.polifoniaperiferica.com.br/2013/05/documewntario-memorias-do-chumbo-o-futebol-nos-tempos-do-condor/


A FUTEBOLIZAÇÃO DA CULTURA ENTRE CRIANÇAS E JOVENS ESCOLARES

Rodrigo Koch - UERGS/ULBRA

Resumo: Este artigo é parte de minha pesquisa de mestrado em Educação e tem por objetivo discutir implicações da cultura do futebol no espaço escolar. Dados coletados e apontamentos analíticos parciais indicam a forte presença desta cultura no cotidiano de crianças e jovens estudantes, estabelecendo novas marcas culturais e criando necessidades de consumo; não só, mas principalmente, com a contribuição da mídia e da mercantilização da vida.

http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/paper/viewFile/926/880


Futebolizar a discussão

Publicado em 2013-01-22 Porto ou Benfica? Braga ou Guimarães? Benfica ou Sporting? Estado ou privados? Viciados nas rivalidades clubísticas, aplicamos essa lógica a quase tudo, incapazes de ver para além do preto e branco. A comunicação social tem "responsabilidades no cartório".

http://www.jn.pt/opiniao/default.aspx?content_id=3007096


A futebolização da informação

Segunda-feira, 22 de Abril de 2013

Ia há pouco no carro, e dei por mim a ouvir o programa da Antena 1, dito serviço público, que se dedicava a recolher a opinião dos ouvintes sobre swaps de taxas de juro, matéria que terá provocado a demissão de dois Secretários de Estado. [...]

No meio de tudo isto, os contornos da operação não interessam; a conjuntura em que foi feita, irrelevante; que os prejuízos sejam reais ou potenciais, perfeitamente indiferente; ou que, no fim do contrato, os benefícios se possam tornar reais, sem significado. Não interessa o tempo, nem o modo, nem a maturidade, nem o montante, nem qualquer juízo de prudência ou imprudência face ao enquadramento global da operação.

Enfim, mais um exemplo da desinformação que a discussão mediática de questões técnicas complexas nos traz diariamente. Toda a gente é capaz de ter palavra decisiva sobre tudo e mais alguma coisa. A futebolização da informação tudo abrange e tudo permite.

http://quartarepublica.blogspot.com.br/2013/04/a-futebolizacao-da-informacao.html


Futebolização

Sexta-feira, Setembro 24, 2010

O futebol tem muita coisa boa, mas também, e infelizmente, algumas coisas que não estão bem. A confusão está permanentemente na ordem do dia. Basta ler os jornais e ouvir e ver as rádios e as televisões. Parece que este já é um modo de vida rotineiro porque ninguém, ou quase ninguém, consegue passar sem estas situações, algumas delas bem lamentáveis. Eis senão, que algumas modalidades, normalmente avessas a este tipo de conflitos, entraram em rota de colisão interna e estão a copiar o que de pior se faz no futebol. [...] Seria bom que todos dessem um passo atrás e chegassem a acordos e consensos antes de se institucionalizar no seu interior a lógica de vida do futebol. Os conflitos nunca levam a lado algum.

http://todossomosportugal.blogspot.com.br/2010/09/futebolizacao.html

Wikipédia[]

Outros sites[]

http://www.arcauniversal.com/noticias/emfoco/noticias/futebol-a-droga-do-povo-19493.html

http://opensadorselvagem.org/ciencia-e-humanidades/demografia/futebol-o-opio-do-povo-na-sociedade-do-espetaculo

http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/2010/artigos_teses/EDUCACAO_FISICA/artigos/E-o-futebol-o-opio-do-povo.pdf

http://saladeimprensa.ibge.gov.br/noticias?view=noticia&id=1&busca=1&idnoticia=567

http://livraria.folha.com.br/catalogo/1044228/como-eles-roubaram-o-jogo

http://futebolferroviario.blogspot.com/2013/01/por-que-futebol-ferroviario-futebol.html

http://janio.sarmento.org/fanaticos-por-futebol-voces-sao-despreziveis.html

http://jornaldehoje.com.br/fanatismo-por-futebol-amor-ou-doenca/

http://www.controversia.com.br/blog/o-futebol-e-suas-razoes-de-estado/

Notícias[]

Neymar mostra disparidade entre economia e futebol, diz Aldo

"A transferência de Neymar para a Espanha prova que a economia tem pouca coisa que ver com o futebol", declarou Rebelo durante o lançamento da exposição itinerante "Brasil: um país, um mundo", que percorrerá as 12 cidades sedes da Copa do Mundo de 2014.

No entanto, apesar dos 57 milhões de euros desembolsados pelo Barça para contar com o ex-jogador do Santos, o ministro disse que a participação brasileira nos negócios do futebol mundial deveria ser maior.

"O Brasil precisa melhorar seu desempenho nos negócios do futebol porque temos uma participação muito modesta no PIB do mundial do futebol", considerou.

Segundo Rebelo, a Inglaterra tem uma participação de 30% nesse PIB, seguida pela Alemanha, com 20% e, um pouco abaixo, Espanha e Itália". Por outro lado, o Brasil, embora tenha vários atletas vinculados aos grandes negócios, conta com apenas 2% nesse mercado.

[...]

http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/neymar-mostra-disparidade-entre-economia-e-futebol-diz-aldo

A relação entre o futebol e o mercado financeiro

[...] Em janeiro deste ano o atacante Liedson, do Sporting Lisboa, trocou socos com o diretor de futebol após uma partida da Taça da Liga de Portugal. O fato tornou-se público, o dirigente foi demitido e o jogador multado.

Contudo, outra consequência chama a atenção: as ações do clube na Bolsa de Lisboa caíram 5,47% no dia seguinte.

O mercado de capitais está preparado para receber o futebol? Ou melhor, os clubes estão em condições de fazer parte deste mercado? [...]

http://brasileconomico.ig.com.br/index.php/noticias/a-relacao-entre-o-futebol-e-o-mercado-financeiro_77667.html


Muita democracia atrapalha a organização de uma Copa, afirma Fifa

24/04/2013

DA REUTERS

Folha na Copa Lugares com muita democracia atrapalham a organização de uma Copa do Mundo, segundo a opinião do secretário-geral da Fifa, Jéromê Valcke

Para o dirigente, este foi um dos obstáculo que a entidade que dirige o futebol mundial encontrou para realizar o Mundial no Brasil, que será disputado de 12 de junho até 13 de julho de 2014.

Valcke acredita que justamente este fator vai transformar a Copa na Rússia, em 2018, em um lugar muito mais fácil de organizar.

"Vou dizer uma coisa que é loucura, mas menos democracia às vezes é melhor para organizar uma Copa do Mundo", disse em um simpósio sobre o torneio. "Quando você tem um chefe de Estado muito forte que pode decidir, como talvez Putin possa fazer em 2018 ... é mais fácil para nós, organizadores, do que um país como a Alemanha .... onde você tem que negociar em diferentes níveis."

Valcke afirmou ainda que a "principal luta" é enfrentar a estrutura política muito dividida "como é no Brasil, onde se tem o poder federal, estadual e municipal".

"Há diferentes pessoas, movimentos diferentes, interesses diferentes e isto dificulta um pouco a organização de um Mundial", afirmou o dirigente.

Há um ano, Valcke foi responsável por outra declaração polêmica. Na ocasião, falou que o Brasil precisava de um "chute no traseiro" ao reclamar do atraso nas obras para a Copa das Confederações e Copa do Mundo.

Tal afirmação desencadeou uma crise com o governo brasileiro, e a Fifa deixou o secretário-geral mais recluso até que as pazes fosse feitas.


http://www1.folha.uol.com.br/esporte/folhanacopa/2013/04/1268022-muita-democracia-atrapalha-a-organizacao-de-uma-copa-afirma-fifa.shtml


Mídia[]

Música e Política:

http://colunademusica.wordpress.com/2010/08/10/curiosas-cancoes-com-narracoes-de-futebol/

http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2012/02/07/time-leva-espirito-punk-anarquista-ao-futebol-de-varzea-e-conquista-ate-manu-chao.htm

http://onzeideal.wordpress.com/2011/04/08/as-11-melhores-musicas-sobre-futebol/


Canções:

Maradó (Los Piojos) (?)

La Vida Tombola (Manu Chao)

É Uma Partida de Futebol (Skank e Nando Reis)

O Futebol (Chico Buarque)

Fio Maravilha (Jorge Ben Jor)

A Taça do Mundo é Nossa

Uma a Zero (Pixinguinha)

O Campeão (Neguinho da Beija-Flor)


Filmes:

Ver Filmes sobre Futebol

Assuntos relacionados[]

Futebol: prós e contras

Futebolização

Futebol e economia

Futebol e democracia

Violência no futebol

Racismo no futebol

Brigas de torcidas

Mortes no futebol

Corrupção no futebol

Futebol e luta de classes

FIFA X Brasil

Referências[]

Notas[]


Voltar[]

voltar para Sociologia

voltar para Diversão

Advertisement